IPLD debate importância da prevenção ao financiamento do terrorismo

Disponibilizado em 25/09/2019
 
A palestra Aspectos Práticos da Prevenção ao Financiamento do Terrorismo aconteceu dia 24, na sede do IPLD, em São Paulo, com Edgard Rocha e Lucas Teider.

Ambos começaram mostrando como o tema lavagem de dinheiro é falado e, por outro lado, o financiamento do terrorismo é esquecido. No entanto, embora os dois temas tenham abordagens diferentes, muitas vezes os crimes se interligam, além de terem muito em comum.

Teider mostrou as características fundamentais para que um ato seja considerado terrorismo e falou que não necessariamente o financiamento desse crime envolve grandes valores. Também explicou como pode acontecer a responsabilização no âmbito empresarial e que a lei não é branda, pois a omissão pode ser considerada uma forma de colaboração com a prática criminosa.

Ele explicou que não basta fazer uma lista restritiva como forma de prevenção, porque a complexidade do financiamento do terrorismo pode incluir muitas pessoas e os maiores envolvidos não costumam estar listados: "É preciso dar um passo além".

Rocha disse que é necessário criar a mentalidade de prevenção ao financiamento do terrorismo nas empresas: "Os instrumentos usados no combate à lavagem de dinheiro são os mesmos e as empresas já fazem monitoramento, mas é preciso virar a chave e mudar a ótica para ficar atento também ao financiamento do terrorismo".

Os advogados especialistas Edgard Rocha e Lucas Teider em palestra sobre prevenção ao financiamento do terrorismo
 
 
Baixa probabilidade x impacto alto
 
Teider falou que o terrorismo muitas vezes é esquecido porque o vemos como distante da nossa realidade: "Nosso cérebro é programado para pensar que o que é difícil de acontecer, parece impossível. Contudo, uma vez que acontece, a gente vê como era óbvio e que os indícios mostravam o tempo todo que aquilo era muito provável".
 
Rocha completou comparando com as tragédias de rompimento de barragens em Minas Gerais: "Ninguém achou que aquilo iria acontecer, mas agora todo mundo percebe o quanto era óbvio". Segundo ele, mesmo que alguns crimes não possam ser completamente evitados, é importante ter um comitê de gestão de risco e uma política de prevenção para mostrar que foi feito tudo o que era possível.

Teider encerrou a palestra mostrando empresas que automaticamente associamos o nome à corrupção, à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo: "Terrorismo é um crime tão ou mais grave. Nenhuma empresa quer ser lembrada dessa maneira. Por isso, todos na instituição podem e devem contribuir na prevenção".